Mumford & Sons em Lisboa: a revolução dos cravos em tom de folk


Mumford & Sons em Lisboa: a revolução dos cravos em tom de folk

Na noite que passou, estiveram na Altice Arena os Mumford & Sons para o arranque de mais uma promissora digressão europeia. Acompanhados do quinteto australiano Gang Of Youths, os britânicos prometeram encantar Lisboa neste dia tão especial para o povo português – e assim o fizeram.

A acompanhar a Delta Tour dos icónicos Mumford & Sons estão os australianos Gang Of Youths. Ainda com a arena por preencher, mas sem que isso os demovesse de conquistar a audiência, o quinteto de Sydney formado em 2012 encantou quem ia entrando. Num registo bastante diferente da banda que acompanham, mas não menos charmosos, os australianos tocaram temas como "The Heart is a Muscle", tema dedicado ao pai de David Le'aupepe (vocalista) que faleceu no ano que passou, ou "Let Me Down Easy", o seu mais conhecido single.

Pouco mais tarde da hora agendada, e entrando pelo meio do público para um concerto a 360⁰, "Guiding Light" foi o tema que inaugurou a digressão europeia da mais conhecida banda de folk, Mumford & Sons. Com um incrível espetáculo de luzes montado, e a plateia já bem mais composta, em palco o quarteto fez-se acompanhar de vários músicos que enalteceram grande parte dos temas. Sempre variando os instrumentos, e demonstrando em todas as alturas as capacidades individuais de cada um (vocais e instrumentais), Marcus Mumford, Ben Lovett,  Winton Marshall e Ted Dwane, os músicos que compõem o icónico quarteto, não desiludiram.

Sorry:
- Attempt 1: Service currently unavailable (Site Disabled)
- Please recheck your ID(s).

Na setlist não faltaram clássicos do álbum de estreia editado em 2010, Sigh No More, e na arena ecoaram temas como "Little Lion Man", "The Cave" ou "Awake My Soul". Mas sendo esta a digressão de apresentação do último disco da banda, Delta, temas do mesmo também não ficaram para trás. No entanto, o alinhamento da noite ofereceu ao público um cheirinho de toda a discografia dos ingleses ao longo destes quase dez anos de carreira.

O público, reconhecido usualmente pela extrema efusividade e empenho, deixou bastante a desejar ao longo de toda a prestação dos britânicos. A primeira saída de palco da banda não teve direito aos típicos aplausos e assobios que proporcionariam o retorno da banda, mas sim a um constrangedor silêncio que, ainda assim, os trouxe de volta. Em formato acústico, e unidos no centro do palco com apenas um microfone e uma guitarra, os ingleses tocaram "Timshell" e "Forever", comovendo a plateia. Dos seis temas que compuseram o encore, "Blood", cover dos The Middle East, foi um deles e foi tocado juntamente com os Gang Of Youths para dos mais empolgantes momentos da noite.

Com direito a chuva de confettis, "Delta", o tema que dá nome não só à digressão mas também ao último longa-duração da banda britânica, deu por encerrado o primeiro concerto na Europa e ficou a promessa de um retorno breve.

Fotografia: Eduardo Salvador
Texto: Maria Roldão