Fever Ray no NOS Primavera Sound: A exuberância carregada de sátira


Fever Ray no NOS Primavera Sound: A exuberância carregada de sátira

Fever Ray, pseudónimo com que Karin Dreijer Andersson se apresenta a solo, subiu ontem ao Palco SEAT para um concerto, no mínimo, invulgar. Durante quase uma hora, a banda, totalmente formada por elementos femininos, apresentou a sua arte que carrega uma vasta sátira política e social.

Passava pouco tempo da meia-noite quando três elementos subiram ao palco e captaram imediatamente a atenção da plateia. Entre as roupas exuberantes como um fato que simulava um corpo musculado exagerado ou um casaco que imitava a pele de um urso, Karin Dreijer, vocalista, vestia a personagem de um filme de terror. A cara pintada de branco com o sangue à volta da boca fazia querer que este espetáculo seria tudo menos usual.

"An Itch" foi a escolhida para começar. O tema do seu último álbum Plunge, lançado em 2017, apresentou este pop eletrónico que caracteriza a artista sueca. "When I Grow Up" e "This Country" deram seguimento ao alinhamento, esta segunda com uma forte crítica aos padrões impostos pela sociedade: "We're not attractive to this country's standards".

O concerto seguiu com vários momentos teatrais que simulavam movimentos sexuais e sadomasoquistas. Coreografias que deixaram o público atento por mais.

Ouviram-se também "Wanna Sip" e "IDK About You" mas o maior êxtase foi aquando de "To The Moon And Back". Este tema, também do álbum de 2017, foi reconhecido pela plateia logo nos primeiros acordes e imediatamente aplaudido.

No geral, um espetáculo fora do comum que pareceu agradar quem por lá passou.

Equipa Noite e Música Magazine no NOS Primavera Sound
Fotos: Júlia Oliveira
Textos e Social Feed: Daniela Fonseca
Edição: Nelson Tiago e António Teixeira