Os Quatro e Meia no MEO Marés Vivas: Um bailarico em bom Português


Os Quatro e Meia no MEO Marés Vivas: Um bailarico em bom Português

Depois de terem passado pelo palco Santa Casa em 2017, Os Quatro e Meia estrearam-se, este ano, no maior palco deste MEO Marés Vivas. Depois do hip-hop de Mishlawi, foi momento de ouvir esta sonoridade tão portuguesa que a banda, vinda de Coimbra, nos proporcionou.

Os Quatro e Meia são, na verdade, seis. E, ontem, neste palco, poderiam facilmente receber nota 10. Com uma energia contagiante, a banda embalou o recinto do festival e, mesmo quem não sabia quem era este grupo de rapazes de fato e gravata, não ficou indiferente ao seu espetáculo.

Em 2017 lançaram o seu primeiro disco de originais e, desde então, este grupo de médicos, engenheiros e um professor, têm vindo a percorrer o país com o seu Pontos nos I's.

Foi com "Manta Do Teu Coração" que se abriram as hostes. "Como bons portugueses que somos, gostamos de um bom bailarico" – Sempre conversadores e animados, estava dado o mote para se ouvir "Baile De São Simão". Também em jeito de brincadeira introduziram a canção "Bom Rapaz" dizendo que "dentro destes 6 bandalhos, há bons rapazes".

Neste fim de tarde ouviram-se ainda temas como "Não Respondo Por Mim" e "Sentir O Sol". Esta última, uma das mais icónicas da banda, contou com o coro dos festivaleiros do Norte. Para terminar, a também familiar "Pra Frete é que é Lisboa". Encerrou em festa este concerto que mostrou, mais uma vez, que o português tem um lugar merecido neste MEO Marés Vivas.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotografia: António Teixeira
Textos: Daniela Fonseca
Social Feed: Jacinta Pinto
Edição: Nelson Tiago