Keane: O MEO Marés Vivas podia ouvir-vos a noite toda


Keane: O MEO Marés Vivas podia ouvir-vos a noite toda

Os britânicos Keane eram dos nomes mais aguardados desta edição de 2019. Se em Inglaterra são uma das bandas mais acarinhadas pelo público, aqui não ficámos muito longe disso.

Depois do hiatus (período de tempo em que uma banda está separada mas com a intenção de se reunir de novo), os Keane voltaram em bom com direito a novo disco. Não é que o Marés Vivas tivesse tido tempo de sentir saudades, isto porque há dois anos o vocalista Tom Chaplin esteve a solo neste palco e interpretou vários temas da banda, mas a verdade é que a ansiedade era palpável.

Os festivaleiros aplaudiram efusivamente todas as canções e a energia que se sentia no recinto era tão especial, que os Keane foram alastrando o concerto pelo máximo de tempo que puderam.

Abriram com "Bend and Break" e, à segunda canção, já Tom Chaplin tinha ido buscar a bandeira de Portugal para colocar no microfone. Começa a ser um ritual do britânico. Depois de "Silenced By Th Night" e "On The Road", ouviu-se "We Might As Well Be Strangers" com direito a coro dos festivaleiros. Era notável que o público portuense sabia para o que vinha e conhecia praticamente todas as canções que aqui se ouviram.

Tom Chaplin foi arranhando umas palavras em português em alguns momentos e mostrou-se verdadeiramente agradecido pelo carinho que a plateia demonstrou ao longo de toda a performance. O Norte foi incansável. Como sempre.

No alinhamento, além das icónicas "Bedshaped", "My Shadow" e "Is It Any Wonder?", a banda trouxe novas canções como "The Way I Feel", "Love Too Much" e "Chase the Night Away". Todas elas parte do álbum Cause and Effect lançado neste ano de 2019.

"É bom estar de volta. Que cidade incrível. Eu podia viver aqui” – Notavelmente encantados pelo Porto e pelos portugueses, os Keane terminaram o tempo regulamentar com as esperadas "Everybody's Changing" e "Somewhere Only We Know".

Haveriam de voltar sob o chamado dos festivaleiros que pareciam não querer que a banda fosse embora. Um concerto memorável onde o Pop/Rock Alternativo embalou esta plateia de festivaleiros, rendida aos britânicos.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotografia: António Teixeira
Textos: Daniela Fonseca
Social Feed: Jacinta Pinto
Edição: Nelson Tiago