A Dobradinha dos Kodaline no MEO Marés Vivas


A Dobradinha de Kodaline no MEO Marés Vivas

Os Kodaline foram o nome anunciado depois da notícia de que os Snow Patrol teriam de cancelar o seu espetáculo nesta edição do MEO Marés Vivas. Os irlandeses são presença regular em Portugal e, independentemente das vezes que por cá passam, o povo lusitano não deixa nunca de sentir saudades.

Estamos perante um verdadeiro romance entre Portugal e os Kodaline. A banda havia marcado presença na edição de 2018 mas houve quem viesse ao festival só para os ver novamente. Uma escolha segura do MEO Marés Vivas depois da desilusão de não ter os também irlandeses Snow Patrol no cartaz.

"Follow Your Fire" foi a primeira a fazer-se ouvir. Juntamente com os festivaleiros, diga-se de passagem. Mesmo com o frio que este novo local do MEO Marés Vivas já nos habituou, os festivaleiros não arredaram pé do palco principal para ouvir o Indie/Rock alternativo destes Kodaline.

Neste fim da primeira noite de festival, ouviram-se temas como "Brand New Day", "Ready" e a sempre esperada "Brother". A plateia foi cantando os temas destes Kodaline e o vocalista Steve Garrigan foi agradecendo o carinho dos festivaleiros.

O alinhamento ia seguindo com a envolvente "Love Like This" e a familiar "Raging" e, antes de partirem para "Love Will Set You Free", Kodaline brindaram a plateia com a interpretação de "Wicked Game", tema de 1989 de Chris Isaak.

"Temos muita pena que os Snow Patrol não pudessem vir" – Em jeito de homenagem, os Kodaline fizeram soar a icónica "Chasing Cars", para surpresa e êxtase do público.

Haveriam de terminar com as incontornáveis "All I Want" e "High Hopes". Um concerto que mostrou, mais uma vez, o carinho que o povo português tem pelos Kodaline. Parece-me que dar um lugar vitalício à banda irlandesa neste festival seria a alegria de milhares de pessoas.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotografia: António Teixeira
Textos: Daniela Fonseca
Social Feed: Jacinta Pinto
Edição: Nelson Tiago