Viviane ao vivo na Casa da Música, no Porto [fotos + texto]


Viviane ao vivo na Casa da Música, no Porto [fotos + texto]

"Porto, é sempre um prazer estar de volta! Vamos passar uma boa noite, sim?" – Foi assim que Viviane se apresentou ontem na Casa da música para uma noite de "Confidências".

A celebrar 10 anos de carreira a solo, Viviane atuou ontem no Porto numa noite que para além de ser de música era também solidária. Por cada bilhete vendido, cinco euros revertiam para a Associação "Filhos do Coração" no combate à escravatura infantil.

Durante mais de uma hora e meia Viviane encheu a sala da Casa da Música de Fado, Jazz, Tango, Bossa Nova e do seu estilo próprio e livre de fazer música. E mesmo sem rótulo, agradou a todos os que la estavam.

"Este concerto é o meu novo álbum e não só, espero que gostem" – Viviane apresentou-se com cinco músicos que garantiram a guitarra portuguesa, guitarra acústica, bateria, teclas, contra baixo e melódica no concerto, mas o tema de abertura de "Deixei a Janela Entreaberta" foi cantado acapella apenas com o seu assobio entre tempos.

Percorreu "Só para mim", "Confidências da Minha Rua", "Plenos Pulmões" e chegou ao "Fado do Beijo", single editado no final de 2015. Depois de "Não Apagues o Amor", Viviane interpretou o seu tema dedicado a Lisboa "Do Chiado até ao Cais "e mostrou-se com vontade de escrever uma letra também para o Porto porque afinal "O Porto é uma cidade que encanta e a energia que se sente aqui é única".

"O Sussurro da Última Canção" não foi além de um simples título e o espetáculo continuou com "Cavalo à Solta", um tema interpretado por Viviane num projeto de homenagem ao poeta Ary dos Santos intitulado de "A Rua da Saudade".

Em menos de um minuto, Viviane sai do palco para mudar de roupa, e antes que a guitarra portuguesa desse o primeiro acorde, já a cantora estava pronta para interpretar Simone de Oliveira na tão célebre "Desfolhada". Um momento em que foi acompanhada pela guitarra e também pelas vozes divertidas do público.

Entre temas escritos por si e para si, a artista cantou também a sua versão de "Cantoras do Rádio" de Carmen Miranda e mostrou as suas raízes francesas num tema de Edith Pief que deixou a plateia encantada.

Antes de terminar o espetáculo, Viviane, relembrou os seus tempos de "Entre Aspas" (banda da qual fez parte na década de 90) e trouxe a "Criatura da Noite" para a sala cantar com ela.

Encerrou com o repetido "Fado do Beijo" mas desta vez trocou o ‘beijo à beira do Tejo’, por um ‘beijo junto ao Douro’, e junto com o beijo que soltou para a plateia veio a ovação em pé pela boa música portuguesa que se ouviu nesta noite.

"Vou de coração cheio, Obrigada Porto!"

Fotos: António Teixeira
Texto: Daniela Fonseca


,