Groove de Tatanka encanta Casa da Música


Groove de Tatanka encanta Casa da Música

A Casa da Música foi mais uma vez palco para a música e energia de Pedro Tatanka. O músico apresentou-se na Sala Suggia praticamente um ano depois de ter marcado presença nesta mesma casa mas numa sala com uma lotação inferior. A noite contou com inúmeros convidados que marcaram o ponto neste espetáculo que viria a durar mais de duas horas.

Com uma energia e atitude já características, Tatanka preparou um concerto completo para quem o assistiu nesta noite de quarta-feira. A sala não encheu mas a plateia nortenha não deixou absolutamente nada a desejar cantando e aplaudindo o cantor em vários momentos.

Foi com "Será" que Tatanka arrancou este concerto que foi, acima de tudo, um grande espetáculo musical proporcionado pelo cantor e pelos músicos que o acompanharam. Bateria, baixo, teclas, piano, violino e violoncelo apoiaram a guitarra e voz de Tatanka nesta noite de mostrar o Blues-Rock com uma pitada de Soul e Reggae que por cá se faz.

"At Night" foi segunda e, ainda com a procissão no adro, já a guitarra elétrica de Tatanka chorava um Blues sedutor. Seguiu-se "Promessa" e "Rádio" com o músico a trocar para um guitarra acústica brincando por ainda se estar a habituar a ela.

"Esta música é nova, espero que gostem" – Tatanka introduziu "Alfaiate" em jeito de brincadeira e o público mostrou conhecer bem a letra cantando-a com o artista. Um momento muito aplaudido levando o cantor a trocar o refrão de "Eu fui noutra vida, um pedaço de ti" para "um pedaço de vocês".

Atura para chamar o primeiro convidado da noite. David Pessoa entrou em palco e interpretou "Homens Assim", um dos seus originais. Antes de sair houve ainda tempo para se ouvir "Darkest Hour", canção com uma forte sonoridade do fado.

"Reggae music is my life! Quem me conhece sabe que eu venho do reggae" – Tatanka explicou que foi no reggae que deu os primeiros passos na música e que este estilo o continua a influenciar. Estava dado o mote para o tema "Adoro Quando Sorris".

O alinhamento estava a meio e o concerto já contava com mais de uma hora de música. Previa-se que a noite seria longa. Momento para chamar o segundo convidado do espetáculo. Diego Gavi surgiu em palco e, se muitos poderiam não conhece-lo, o convidado rapidamente se apresentou com a sua forte voz de raízes flamencas. Interpretou "Keep on Walking" e impressionou a sala quando projetou a sua voz sem microfone para todos ouvirem.

"Esta canção fala de Lisboa, do quanto esta cidade me fez homem" – Já sem Diego Gavi em palco, Tatanka interpretou "Cicatriz", tema que explica a sua mudança para a cidade de Lisboa e os momentos pelos quais passou. Nesta canção, ainda recente, o artista esqueceu uma parte da letra e brincou dizendo que "ficou uma cena mais instrumental".

Junta-se em palco Luísa Sobral para interpretar "Mesma Rua, Mesmo Lado", um tema do seu mais recente álbum. Juntamente com o artista residente da noite, Luísa Sobral cantou ainda o tema "Estrelas". Uma participação muito querida pelo público onde foi visível a cumplicidade e amizade dos artistas.

Já na reta final e a marcar as duas horas de concerto, Tatanka chama os últimos convidados da noite. Os Azeitonas surgiram para interpretar os temas "Cantigas de Amor", "Alma Despida" e "Minha Aldeia". Fica registado o caricato momento em que Marlon, vocalista d'Os Azeitonas, explicou ao público como havia conhecido Tatanka e que ninguém o avisou da personalidade singular do cantor: "Aparece esta personagem e eu levei um choque".

O encore contou com o conhecido "Império" e terminou com o público a entoar o refrão do tema aplaudindo este artista que tem vindo a marcar o seu nome a solo no panorama da música em Portugal.

Fotografia: Júlia Oliveira
Texto: Daniela Fonseca