O envolvente James Blake no NOS Primavera Sound


O envolvente James Blake no NOS Primavera Sound

James Blake era um dos nomes mais esperados da noite. Depois da energia contagiante de J Balvin parecia difícil a tarefa de trazer o público para um registo mais intimista. James Blake pareceu consegui-lo na perfeição. O mesmo público que saltava em festa há pouco mais de 1 hora atrás estava agora imóvel a escutar cada palavra que o artista dizia.

James Blake conseguiu acolher o público na sua arte mesmo quando as suas músicas eram quase sempre no mesmo tom. O que se sentiu foi uma energia envolvente que cativou a atenção do público e o deixou completamente rendido a cada nota das teclas do artista. Uma energia que não se quebrou durante mais de uma hora de concerto.

O alinhamento não fugiu muito ao esperado. O britânico esteve grande parte do concerto sentado nas suas teclas. Com ele, trouxe dois músicos que foram garantindo a percussão e efeitos eletrónicos do concerto. O cenário era o mais intimista possível, tratando-se de um festival. Um palco enorme com os três músicos ao centro, sem nenhum fogo-de-artifício.

"Assume Form" foi a primeira a fazer-se ouvir. "Life Around Here" foi segunda e muito aplaudida pela plateia. "Timeless" e "Mile High" seguiram-se e esta última foi o mote para o artista agradecer a todos aqueles que ouviram o seu último álbum, lançado em Janeiro deste ano.

"Are You In Love", também parte deste último trabalho de estúdio do artista, foi dos momentos mais bonitos da noite. Apenas ao som de uma guitarra, James Blake fez as delícias de um público que silenciou completamente para o ouvir. Um momento onde foi evidente a voz limpa e o alcance vocal impressionante do jovem cantor britânico.

O alinhamento seguiu com "Can't Belive The Way We Flow", "Limit to Your Love", "Where's the Catch?" e "Barefoot in the Park". Esta última, com a participação da voz de Rosalía, tema que partilham desde Abril deste ano.

"Esta música é sobre perder tudo" – James Blake terminou com "Don't Miss It" e pediu desculpa à plateia por não saber falar português. O artista terminou assim o seu concerto naquela que foi uma atuação intimista e envolvente. O Primavera Sound pareceu aprovar com distinção.

Equipa Noite e Música Magazine no NOS Primavera Sound
Fotografia: Júlia Oliveira
Textos e Social Feed: Daniela Fonseca
Edição: Nelson Tiago