Jamiroquai no MEO Marés Vivas: uma DISCO a que chamamos festival


Jamiroquai no MEO Marés Vivas: uma DISCO a que chamamos festival

Os Jamiroquai subiram ao Palco MEO e, durante perto de duas horas, mostraram a razão de serem os cabeça de cartaz deste primeiro dia de festival. A banda britânica apresentou-se com uma energia contagiante que fez dançar os festivaleiros ao seu ritmo dance-pop que nos transporta para as antigas "Disco's" onde os movimentos frenéticos de dança eram reis.

"Shake It On" foi a primeira a fazer-se ouvir e, desde logo, foi percetível que a banda formada em 1992 iria estender as canções o máximo que conseguisse. Cada tema era como uma viagem alucinante que guiava o público por mais de quatro minutos de dança.

"Little L" seguiu o alinhamento e abriu caminho para "Use The Force". O tema de 1996 foi rapidamente reconhecido pela plateia e cantado em alto e bom som. Também "Light Years" e "Alright" tiveram lugar nesta noite de dança que não deixou ninguém quieto. Até os festivaleiros que não estavam a par da carreira dos Jamiroquai não resistiram em abanar o corpo ao ritmo da banda. Foi verdadeiramente contagiante.

"Planet Home" marcou também presença nesta noite com o seu toque ligeiro de salsa que animou ainda mais a plateia. O concerto estava a meio e a energia dos festivaleiros já estava no máximo mas havia ainda lugar para ouvir "Runaway", "Superfresh" e vibrar com a icónica canção lançada em 1996, "Cosmic Girl".

A caminho do final do concerto, a banda britânica tocou "Travelling Without Moving" e "Canned Heat". Mas os Jamiroquai não se podiam despedir sem o tema que mais os elevou nesta carreira que já ultrapassa os 20 anos. Altura então para se ouvir "Love Foolosophy", tema de 2004 que os festivaleiros rapidamente reconheceram e abraçaram.

Com a energia do público a atingir níveis impressionantes, terminou assim o espetáculo da banda britânica no festival. Um espaço de tempo alucinante que não deixou ninguém indiferente.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotos: António Teixeira
Textos: Daniela Fonseca
Edição: Nelson Tiago