Língua Franca no Super Bock Super Rock: conexão lusófona


Língua Franca no Super Bock Super Rock: conexão lusófona

Ao coletivo luso-brasileiro, idealizado em 2015 pela Sony portuguesa e brasileira, e que junta a portuense Capicua, Valete (da Amadora) e os brasileiros Emicida e Rael de São Paulo, coube a tarefa de fechar o Palco EDP. A plateia foi muito mais numerosa do que no dia anterior (ou não estivessem já a jogar em casa) e os quatro rappers souberam, cada um à sua maneira, puxar pelo público.

O quarteto, acompanhado de D-One nos pratos e Fred Ferreira na bateria, apostou num formato em que alternava as músicas do seu único álbum homónimo, com atuações a solo de cada um dos MC's a interpretar os seus originais.

Do álbum produzido por Fred Ferreira, Nave e Kassin, podemos ouvir, por exemplo, "Génios Invisíveis" e "Ela" logo a abrir e dois dos momentos mais fortes do registo recentemente lançado.

Destacamos ainda as prestações a solo, e muito politizadas, de Valete com "Fim da Ditadura" e "Rap Consciente", e ainda, os singles reconhecidos por todos de Capicua: "Maria Capaz" e "Vayorken".

Equipa Noite e Música Magazine no Super Bock Super Rock
Fotografia: Rui Jorge Oliveira
Textos: Miguel Lopes
Social Feed: Maria Roldão
Edição: Nelson Tiago


,