Festa do Avante '12: 3º dia, 9 setembro


O último dia da Festa do Avante contou, como já é tradição, com o Comício do PCP que teve como ponto de foco o discurso de Jerónimo de Sousa. Para além da mensagem política, a diversão continuou a ser um ponto chave desta festa, com espetáculos musicais e culturais aliados à boa comida, que animaram todos os que se deslocaram este domingo à Quinta da Atalaia.

Pelas 17h os Diabo na Cruz (na foto) subiram ao palco 25 de Abril, onde antes já tinham passado os portugueses Linda Martini e Anti-Clockwise e os escoceses Shooglenifty.

A banda de Jorge Cruz atuou perante uma plateia preenchida, em que eram notórios alguns contrastes: jovens fans da banda, que entoavam as letras de forma exímia, ao lado de militantes do partido, um pouco mais velhos, que já garantiam lugar na primeira fila para o comício que se iria seguir. O "Rock Popular" invadiu o Avante com um espírito a fazer lembrar a música de intervenção de outros tempos, aliada aos ritmos tradicionais portugueses.

A paragem nos concertos para o comício foi antecedida pela entrada dos Toca a Rufar, que abriram alas ao grupo da juventude comunista, que chegava ao recinto e se posicionava na plateia. Após o discurso, que se focou em grande parte na problemática atual da crise, a "Carvalhesa" soou nos microfones e foi ver o público todo a dançar. Estava encerrado o comício e os espetáculos prosseguiam com os Peste e Sida no palco principal.

Celebrando os 25 anos de carreira, os Peste & Sida interpretaram temas do seu mais recente álbum, com um título muito sugestivo e apropriado "Não há Crise", mas no alinhamento não se esqueceram de incluir os clássicos "Sol da Caparica" ou "Bule Bule". Sempre com mensagens sociais o vocalista numa das vezes desceu até ao público para melhor partilhar a festa junto do povo.

Antes do encerramento com os Gaiteiros de Lisboa passou ainda pelo palco Ba Cissoko, músico e compositor da Guiné Conacri, que trouxe a Portugal a sua sonoridade mais calmos que mistura influências de jazz, com blues e ainda ritmos latinos.

Três dias de Festas chegam ao fim com a atuação dos Gaiteiros de Lisboa que trouxeram o seu novo trabalho, "Avis Rara". Com eles partilharam o palco Ana Bacalhau, os Adiafa e Zeca Medeiros, numa reunião que mistura musicalidades.

Num balanço da Festa do Avante de salientar a festa do povo que celebra a cultura portuguesa e que mostra que é através das nossas suas diferenças que podemos construir a nossa identidade cultural, que é a base da formação de um país.

Fotos: Pedro Figueiredo
Texto: Vânia Marecos


,