30 Seconds to Mars na Meo Arena, em Lisboa: reportagem


30STMLX

Meo Arena repleto para o regresso da banda norte-americana a terras lusas. Jared Leto e companhia apresentaram Love, Lust, Faith + Dreams, quarto álbum de originais da banda.

Após uma triunfante passagem pelo festival Marés Vivas, em julho passado, os Thirty Seconds to Mars voltam a terras lusas no pontapé de arranque da digressão europeia de Love, Lust, Faith, + Dreams.

Jared Leto tem feito escorrer muita tinta na imprensa nos últimos dias: um convite ao Presidente da República através da rede social twitter, a um mini concerto surpresa no Chiado na véspera do concerto.

Apesar de não estar completamente esgotado, muitos foram aqueles que não quiseram perder o espetáculo da Meo Arena que se encheu para viajar até Marte.

A primeira parte ficou a cargo dos You Me At Six, banda do Reino Unido que veio estrear-se em Portugal (após a atuação do Optimus Alive 2011 ter sido cancelada).

Pontuais, os seis membros da banda entraram em palco com "Reckless".

Josh Franceschi tem uma presença eletrizante e junto com um reportório que deambulava entre o rock e o punk conseguiram agarrar o público português.

A apresentação durou 45 minutos e percorreu os dois trabalhos editados e destacaram-se "Loverboy", "Liquid Confidence", "Bite my Tongue" e o tema que usaram como despedida: "Underdog".

Pouco passavam das 21 horas quando a banda norte-americana foi apresentada. No pano preto que escondia o planeta dos Thirty Seconds é projetado o triade (um dos símbolos da banda) que deixa os fãs ainda mais ansiosos. Surgem dois homens de fato, com máscaras de gás, que iluminam com dois projetores várias pessoas da plateia e dos balcões. O público está expectante e faz uma onda gigante que percorre a arena de um lado ao outro.

É chegado o momento em que a música de fundo começa a diminuir, cai o pano e numa plataforma central (semelhante a uma mezzanine) encontra-se Jared Leto, encapuzado, de óculos de sol, abrindo os braços para receber o público nesta viagem que se inicia com "Birth" (tema de arranque do último trabalho). Sob esta plataforma (que se viria a tornar em 3 leds) encontravam-se Tomo Miličević (guitarrista) e Shannon Leto (irmão do vocalista e baterista), e logo atrás 4 percussionistas com o rosto tapado. Heis que a histeria do público é substituída por um coro que, em conjunto com Jared cantam os poucos versos do tema. A plataforma desce e Jared aterra em palco com "Night of the Hunter" (tema do penúltimo álbum de originais da banda). O público eleva tanto a voz que por momentos abafou a voz inconfundível do vocalista. "One night to remember" tinha acabado de começar. A entrega do público foi imediata e "Search and Destroy" fez tremer o recinto com toda a plateia a saltar.

Jared afirma que acredita em Portugal e com "This is War" (acompanhada com imagens de guerra e vários líderes políticos mundiais) começa o manifesto vivido com entusiasmo pela plateia.

Logo após "Conquistador" que termina com uma explosão de papéis coloridos que se espalham por todo o recinto, o cantor aproxima-se do público, afirma estar doente e com frio e, após apontar para várias caras que já lhe são familiares pede a 2 fãs que subam a palco e lhe dêem um abraço.

"Do or Die" foi apresentada com o vocalista a hastear a bandeira nacional de um lado para o outro enquanto o público cantava efusivamente o tema.

A banda sai de palco, abrindo espaço para que um dos "homens de fato" mostra-se a sua habilidade circense com um aro metálico (acompanhado por "Depuis Le Début") deixando grande parte da plateia surpresa.

"City of Angels" é uma homenagem à Los Angeles e protagonizou o momento luminoso da noite, enchendo a arena com luzes de telemóveis e isqueiros, celebrando também o lançamento do mini-filme que foi lançado no mesmo dia.

A banda volta a sair de cena para mais um número de circo; desta vez com os dois "homens de fato" a fazerem mortais enquanto eram impulsionados enquanto saltavam nas extremidades de uma tábua.

É chegado o momento acústico da noite onde o cantor aproveitou para falar um pouco com o público, percorrendo temas como "Hurricane", "Was It a Dream?", "From Yesterday", "Alibi" e "Stay" (cover da Rihanna). Este ato intimista encerra-se com uma declaração de amor a Portugal e Jared afirma que encontrou a sua segunda casa e presenteia o público com a primeira apresentação ao vivo de "The Race".

Na reta final do concerto sobre o público caíram muitos balões gigantes coloridos que coloriram as apresentações de "Closer to the Edge" e "Kings and Queens".

A viagem a Marte terminou com a entrada de vários fãs em palco e "Up in the Air" fez a arena estremecer novamente com tanta euforia, culminando com uma nova chuva de papéis.

"Eu nunca vou esquecer esta noite" foram as palavras que marcaram a despedida de Jared Leto e da sua turpe. Portugal está e estará sempre a trinta segundos de Marte.

Fotos: João Paulo Wadhoomall
Texto: Bruno Silva


,