SOJA no Coliseu do Porto [fotogaleria + texto]


SOJA no Coliseu do Porto [fotogaleria + texto]

O palco já estava montado e os fãs começavam a aglomerar-se junto ao mesmo. Quem não soubesse que os bilhetes tinham esgotado, diria que o recinto não estava cheio, mas na verdade, a multidão estava toda concentrada na frente, de modo a não perder pitada do que se iria passar. O coliseu estava despido das habituais cadeiras, uma vez que música reggae não se escuta sentado. É preciso senti-la e acompanhar com o balançar do corpo.

De repente o pano cai, a sala escurece e o símbolo do novo álbum dos SOJA surge. A multidão grita eufórica. O baterista Ryan Berty é o primeiro a entrar em palco, seguindo-se Bobby Lee, Kenny Bongos, Patrick O'Shea, Hellman Escorcia, Rafael Rodriguez e Trevor Young, em catadupa. Jacob Hemphill, o vocalista principal, é o último a surgir e traz consigo a música “Tear it Down” do seu mais recente álbum, Amid The Noise And Haste.

Com um fantástico jogo e combinação de luzes, "I Don’t Wanna Wait" foi a segunda canção da noite e Jacob pediu que a multidão o acompanhasse de braços no ar e a cantar, nesta melodia do álbum de 2009, Born in Babylon, para que ele pudesse fazer algumas filmagens, situação que ocorreu várias vezes ao longo do concerto.

Quase a terminar a sua tour pela Europa, os SOJA não poderiam deixar de passar por Portugal e brindar a cidade do Porto com as músicas do seu mais recente disco, numa noite memorável. "She Still Loves Me" deixou o público muito animado e "Tell Me" do disco Strenght to Survive foi das mais aclamadas e entoadas por todos.

Praticamente sem intervalos, as músicas foram passando, muitas das vezes cantadas, também, por Bobby Lee, dono de uma poderíssimo vozeirão. O êxtase frenético do dedilhar das guitarras foi acompanhado por palmas, no entanto, a grande vencedora da noite no que diz respeito a aplausos, foi "I Believe".

"Muito obrigado" foram as únicas palavras em português pronunciadas pelo octeto, que várias vezes desceram do palco para estar no meio do público e que reforçaram o agrado em estar presente em terras lusitanas: "You guys are awesome. It’s always amazing!".

O guitarrista Trevor Young demonstrou, novamente, que nesta banda não existem funções estáticas e cantou "Shadow", canção também presente no último trabalho do grupo, num resisto bem mais leve, melodioso e calmo.

Num momento improvável e espontâneo, os guitarristas da banda subiram aos camarotes do coliseu e tocaram no meio dos fãs, a música "Sorry". Seguiram-se "Driving Faster" e "Not Done Yet", mesmo antes de um dos pontos altos do espetáculo: momento de percussão com sabor a Brasil.

Vinte músicas depois, os Soldiers of Jah Army deram balanço às suas rastas e terminaram o concerto, tendo ainda havido tempo para a emoção com as músicas "You and Me" e "Rasta Courage".

Fotos: Diogo Baptista/Oporto Agency
Texto: Magda Santos c/ Oporto Agency


,