NOS Primavera Sound: dia 3 (11/06), com Air e Moderat


NOS Primavera Sound: dia 3 (11/06), com Air e Moderat

O encerramento da quinta edição do festival que este ano levou mais de 80 mil pessoas ao Parque da Cidade, fez-se com a introversão de Air e a explosão de Moderat.

Pela última vez este ano, as portas do Parque da Cidade abriam para este festival que, ao longo dos anos, se vem afirmando como um dos mais importantes festivais de música não só no espectro português, mas também internacional. O tempo convidava a um derradeiro passeio pelo recinto e a ouvir a música que, enquanto se aguardava pelos cabeças de cartaz, surpreendia pela positiva os que não conheciam quem a tocava nas primeiras horas do festival.

Manel, no Palco Super Bock, lançava o dia da melhor forma. A música Pop Catalã que apresentava, tinha algo de poético que captava a atenção de quem, sentado na relva a acumular energias para mais tarde, fazia a fotossíntese e deixava-se levar pela plácida sonoridade do grupo.

No recinto, que este ano notava-se estar muito mais limpo fruto da brilhante ideia de se usarem copos reutilizáveis, o público descontraia. Quando Chairlift entraram no palco NOS, vestidos de branco, e começaram a apresentar o seu reportório, aí a serenidade que invadia o parque, fez-se sentir ainda mais. Caroline Polachek sentiu isso, tirou as botas e, descalça, continuou a embalar, com a sua voz melódica, os que de pé ou sentados, disfrutavam da sua harmoniosa voz. "How’s everyone doing in the back? This is so beautiful", elogiava Caroline o cenário tranquilo e natural.

No palco ao lado, enquanto Battles não chegavam, jogava-se frisbee na maior das descontrações enquanto o espaço não voltava a ser ocupado pelas toalhas daqueles que preferiam disfrutar do espetáculo sentados. O Palco Super Bock virou laboratório: Guitarras, teclado e bateria entravam em algo que se assemelhava a uma jam session rock-jazzística. Acompanhavam ao vivo gravações que levavam, e o público assistia com atenção à união dessas duas partes.

No Palco Ponto, Drive Like Jehu celebram o seu regresso aos palcos com uma apresentação hardcore que acordava e abanava com toda a tranquilidade que até agora estava no ar.

Mas não tardaria até esse espírito mais imperturbável voltar. Em frente ao palco principal o anfiteatro do parque que voltava a reunir milhares de pessoas, via-se refletido nas três placas espelhadas que serviriam como cenário para o grupo francês.

Pela segunda vez neste dia, vestia-se branco e brancas eram também as luzes que caiam sobre Nicolas Godin e Jean-Benoît Dunckel. Antecipava-se um concerto harmonioso. O som (que hoje não balançava ao vento dada a sua inexistência) de Air era algo de extraterrestre que parecia ter sido retirado de um episódio de Ficheiros Secretos. A plateia parecia ter entrado em transe ao ouvir aquela sonoridade lounge-eletrónica, mas, no final, demonstrou ter estado até demasiado atenta quando reagiu entusiasticamente ao final da apresentação.

Pela última vez este ano, a corrida do Palco NOS para o Palco Super Bock fez-se para ver Explosions in the Sky. Uma bateria e três guitarras que, não só pelo som que destes instrumentos saía, mas também pela forma como eram tocados, transpiravam o rock que fez "esgotar" a plateia.

À 1h começava o fim. Moderat tinha como tarefa fechar o palco NOS e fazer vibrar pela última vez este ano o Parque da Cidade. E literalmente o parque vibrou. O som forte e energético que saía das colunas, sentia-se internamente no corpo dos que assistiam quer estivessem junto ao palco ou no início do declive do recinto. Não era um concerto para fracos, era um concerto para quem queria sair do festival a sentir toda a energia quanto possível. Visualmente e musicalmente, o trio berlinense mexeu com o público que não conseguiu ficar indiferente ao som eletrónico que foi repetido, a pedido dele, em dois encores.

Toda a imperturbabilidade do dia foi arrasada pela ultima performance da quinta edição do festival. No fim, ficou a promessa do reencontro, no mesmo local, para dia 8, 9 e 10 de Junho do próximo ano. Dia 4 de Julho, segunda-feira, ficam disponíveis os primeiros mil passes gerais para a sexta edição.

Equipa Noite e Música Magazine no NOS Primavera Sound
Fotos: António Teixeira e Miguel Pereira
Textos: Henrique Caria


,