Nik Kershaw no Coliseu do Porto: Uma noite que se encheu de clássicos


Nik Kershaw no Coliseu do Porto: Uma noite que se encheu de clássicos

Nik Kershaw esteve ontem pela primeira vez no Porto naquele que foi o último de dois concertos dados no nosso país. A estrela POP britânica dos anos 80 apresentou ao público portuense alguns dos seus maiores clássicos numa noite de recordações que não desiludiu quem lá estava.

Foi um Coliseu muito pouco preenchido para a grandiosidade do senhor e da voz que por lá passou. A sala portuense pareceu demasiado grande para ouvir e recordar os grandes êxitos do cantor britânico.

Sem grandes apresentações, o cantor estreou-se em palcos nortenhos com um simples "Good evening my friends". Com apenas mais 4 elementos da banda em palco, a imagem outrora extravagante de Nik Kershaw contrastou com o look todo preto do cantor, apenas com o toque dos óculos de sol que não tirou durante todo o concerto.

"These Tears", "Wide Boy", "Dancing Girls", "When a Heart Beats" e "Have a Nice Life", esta última mais em estilo de balada que o cantor escreveu para o filho e que o levou a anunciar que está prestes a ser avô, passaram de rompante até àquele que foi o primeiro dos grandes momentos da noite. Começaram a ouvir-se os primeiros acordes da clássica e famosa "The Riddle" e foi o suficiente para o público, que até agora estava muito sossegado, se levantar e começar a vibrar com este clássico que até os mais novos conheciam.

A plateia que se desenhava com um público mais octogenário, de certo ansioso por recordar os grandes temas do seu tempo, pintava-se também com uma fatia de jovens e crianças que se deliciaram e vibraram ao longo do concerto com as músicas do veterano cantor britânico.

O britânico não se arriscou muito na interação com o público, proferindo apenas muitas vezes um simples "obrigado" com sotaque inglês e pedindo desculpas por ter trazido o tempo cinzento de terras de sua majestade com ele para o nosso país.

Depois de "The Riddle", muitos outros temas se seguiram como "Somebody Loves You", "Radio Musicola", "Human Racing", "The One and Only”, um dos seus maiores hits dos anos 90, "Wonded" e "The Sky's The Limit”, desta vez, uma balada que o cantor escreveu para a sua filha como já antes tinha feito para o filho.

O concerto foi preenchido com grandes solos de guitarra e de baixo por parte não só dos elementos da banda, como também de Kershaw, o que levava o público a aplausos intensos e demorados.

Os outros dois momentos da noite aconteceram já na reta final do concerto, quando a banda tocou dois dos seus maiores êxitos. "Wouldn't It Be Good" e "I Won't Let The Sun Go Down On Me" foram a cereja no topo do bolo para quem esperou até ao final para recordar e cantar em uníssono de pé com o cantor. Um momento que ficou com certeza marcado na memória de Nik Kershaw e também de quem lá esteve a assistir.

"Roses" e "Human" estavam reservadas para o encore, colocando toda a gente a cantar, a dançar e aplaudir de pé o artista presente que já foi um êxito de outros tempos.

Existiu ainda tempo para uma fotografia final em que Nik pediu a um elemento do público a bandeira portuguesa que este trazia e envergou-a ao peito com um sorriso enorme na cara, satisfeito por estar em terras lusitanas. Podiam não ser muitos, mas mais uma vez o público nortenho não desiludiu. "You Rock Porto!", não poderiam deixar de ser as últimas palavras do cantor antes de abandonar o palco do Coliseu.

Fotos: António Teixeira
Texto: Inês Vale