MEO Marés Vivas: Scorpions são como o Vinho do Porto


 MEO Marés Vivas: Scorpions são como o Vinho do Porto

Os Scorpions eram os mais esperados da noite por uma plateia de fãs dos 8 anos 80. A banda germânica subiu a palco perante um Marés Vivas completamente lotado e mostrou que os seus 50 anos de carreira se vivem com a mesma energia dos anos 70 e 80.

O rock que nos foi apresentado em 1965 continua invicto, com a particularidade que traz com ele dezenas de anos de estrada que fazem dos Scorpions um fenómeno ainda maior. Durante quase duas horas, o Cabedelo foi inundado de acordes eletrizantes, batidas arrebatadoras e uma voz única que se mantém com a mesma força de há 50 anos.

O espetáculo começou com "Going Out With A Bang", "Make It Real" e com a clara intenção de prolongar esta noite o máximo que fosse possível.

"É sempre bom voltar a Portugal!" – Klaus Meine, vocalista da banda, mostrou-se bem-disposto conversando com a plateia durante todo o espetáculo. "Bad Boys" e "The Zoo" deram continuidade ao concerto e antecederam o momento dedicado aos anos 70. O medley contou com temas como "Top Of The Bill" e "Catch Your Train".

"We Build This House" seguiu o medley e teve direito a dedicatória do artista. Klaus Meine explicou que só foi possível dar concertos durante toda a história da banda graças à consistência que foi criada por ela mesma.

Já sabemos que os Scorpions são excelentes músicos mas os espetáculos relembram-nos sempre da sua qualidade. Neste sentido, Matthias Jabs soltou as rédeas da sua guitarra elétrica e arrebatou o público com os acordes de "Delicate Dance".

"É tempo de trazer as guitarras acústicas" – Tempo para um medley totalmente acústico onde se ouviram temas como "Always Somewhere" o bem familiar "Send Me Na Angel". O tema de 1990 integra o álbum Crazy World e é um dos mais acarinhados pelo público, quase tanto como a canção que se seguiu. Do mesmo álbum, "Wind Of Change" tornou-se um hit incontornável da banda e arrancou do público uma participação efusiva e afinada. Uma das mais aplaudidas.

O concerto seguiu a bom ritmo e com o fervor que o hard rock exige. A noite foi também de homenagem aos Motorhead com o tema "Overkill".

Já na reta final, tempo para um solo irrepreensível de Mikkey Dee. Durante largos minutos, o baterista tomou o palco por inteiro e fez da bateria um brinquedo nas suas mãos, subindo numa plataforma para que todo o recinto o pudesse ver.

O encore contou com "Coming Home" mas as maiores atenções foram para "Still Loving You". O tema de 1984 é um êxito indiscutível da banda e o Marés Vivas soube cantá-lo com a entrega que a letra exige.

O espetáculo terminou com "Rock You Like a Hurricane" e com a certeza de que este foi um dos melhores concertos que o festival já viu. Os Scorpions são como o vinho do Porto, quanto mais o tempo passa, melhores eles ficam.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotografia: António Teixeira
Textos e Social Feed: Daniela Fonseca e Rita Pereira
Edição: Nelson Tiago


,