João Pedro Pais no Coliseu do Porto: reportagem


João Pedro Pais no Coliseu do Porto: reportagem

Keith Scott, guitarrista de Bryan Adams, acompanhou o músico português na apresentação do seu Desassossego na cidade invicta.

Bastou as luzes perderem intensidade para a multidão entrar em desassossego. Com o coliseu mergulhado na escuridão total, começa-se a ouvir o tinir do piano que, gradualmente, vai ganhando intensidade. Tal como num teatro de sombras, os músicos surgem um a um, preto no branco da cortina. Primeiro o pianista, depois o artista da noite, João Pedro Pais, seguido dos mestres da guitarra e baixo e do quarteto de cordas. É uma entrada arrebatadora ao som de "Palco de Feras".

Assim que a cortina que turva a vista desaparece de cena, os aplausos ecoam no ar. A multidão entra em extâse e o entusiasmo é contagiante. "Todos somos vida, alma e continuação. Todos queremos amor, silêncio, ruído, tempo, urgência, verdade e paixão. E todos temos o desassossego…". É este o mote do concerto que encheu a ampla sala do Coliseu do Porto.

Esta noite não é dedicada a nenhum álbum em particular, mas porventura, a todos no geral, pois cada um deles tem um lugar de destaque no repertório apresentado. Desde "Hoje" de Falar por Sinais até "Isto do amor" do seu mais recente álbum – Desassossego, que dá nome ao espetáculo, nenhum disco foi esquecido.

Já arrecadou o Globo de Ouro para melhor canção, em 2001, e esta noite quase se podia dizer que sairia de novo vencedora do ‘prémio escolha do público’. "Não há" foi das músicas que maior furor causou, no entanto, foram as românticas "Ninguém é de Ninguém" e "Mentira" que deram asas aos momentos mais emotivos. O afinadissímo coro do coliseu não falhou uma única vez nas letras das canções. E com os holofotes virados para o público, difícil era não serem todos artistas esta noite.

Ao piano, dedilhando a sua guitarra ou apenas fazendo uso dos seus dotes vocais, João Pedro Pais tornou o concerto num verdadeiro espetáculo musical até ao último minuto. Keith Scott, artista convidado e guitarrista de Bryan Adams, acompanhou o cantor português nas últimas músicas e as brincadeiras entre ambos criaram momentos de pura diversão.

De pé, a multidão despediu-se de João Pedro Pais, numa euforia total, enquanto ele e Keith brindavam os presentes com um magnífico duo de cordas, mesmo no meio do povo portuense. E como se as palmas não fossem suficientes para agradecer o concerto dado por este pequeno grande artista, bater os pés foi o reforço do apreço e êxtase da plateia. "Gosto desta cidade para carago", disse o artista.

Fotos: António Teixeira
Texto: Magda Santos


,