Foo Fighters no NOS Alive: Do you love Rock'n'Roll?


Foo Fighters no NOS Alive: Do you love Rock'n'Roll?

"Do you love Rock'n'Roll?" – perguntou Dave Grohl ainda no primeiro terço do concerto. Como é possível não amar o rock depois de um dia com a sujidade sedutora das Savages e dos The Kills, o old school dos The Cult e o rock alternativo, que chegou aos estádios, dos Foo Fighters.

Como se fosse preciso provar mais uma vez, os Foo Fighters mostraram que entraram para a história da música como uma das bandas mais importantes dos últimos 20 anos. Dave Grohl é o líder e uma personagem magnética que diverte e atrai multidões. Quase nasceu para a música já como lenda devido à passagem pelos Nirvana, mas depois reinventou a sua música e manteve a sua imagem de nice guy que a todos conquista.

Nesta noite todos esperavam pelos Foo Fighters! Apesar de todos os dias estarem esgotados, este parecia mais composto que na noite anterior e à meia-noite em ponto o Palco NOS estava a rebentar pelas costuras para ver a banda de Seattle, que há seis anos não pisava palcos nacionais.

E para que ninguém fique esquecido, o concerto foi em modo best of e poucos hits ficaram de fora (não é fácil dada a quantidade de singles orelhudos que saíram em mais de 20 anos de carreira). Desde os velhinhos "This Is a Call" do primeiro álbum em 1995 ou "Monkey Wrench" (para os verdadeiros fãs) e "My Hero" do seu sucessor de 97 até duas músicas que serão incluídas no próximo álbum Concrete and Gold a sair a 15 de setembro deste ano. "Run" é o primeiro single e, para não variar, já é um hit de Verão e foi muito bem-recebido. "La Dee Da", com Alison Mosshart dos The Kills a acompanhar em palco, mostrou muita eletricidade e química entre ambos.

Dos restantes álbuns podemos ainda destacar o início demolidor (e entrada em passo de corrida de Grohl) com "All My Life", "Times Like These" e "Learn to Fly", um medley de apresentação da banda pelo meio de "Cold Day in the Sun" (com "Another Bites the Dust" dos Queen e "Blitzkrieg Pop" dos Ramones e a voz do baterista Taylor Hawkins) ou "These Days" gravada na garagem de Dave.

A meio do concerto Dave Grohl pergunta ao público se quer acalmar ou continuar em força. Claro que resposta foi para continuar a partir, neste caso com “White Limo” e “Alandria”. Seguiram-se “Rope” com um final afrobeat, as já referidas músicas novas, versões cada vez mais longas das canções e um Jam com o público, em que aos cânticos vindos da plateia (desde "E salta, e salta, olé, olé", a "campeões, nós somos campeões" e ao hino nacional), a banda foi respondendo com a criação de novas hit songs.

O final chegou com o também velhinho "Everlong" e promessas de não voltar a demorar tanto tempo a voltar. Nós também esperamos que não demore pois, de tempos a tempos, precisamos da energia e boa atitude dos Foo Fighters. Como eles, nós também amamos o Rock'n'Roll.

Fotografia Foo Fighters: NOS Alive

Equipa Noite e Música Magazine no NOS Alive
Fotografia: António Teixeira
Textos e Social Feed: Miguel Lopes e Daniela Fonseca
Edição: Nelson Tiago


,