Vodafone Paredes de Coura: reportagem do 2º dia, 14 de agosto


alabamashakesparedescoura

Tudo a postos para o 2º dia do festival mais empolgante do Minho! Os espetáculos têm vindo a decorrer no palco secundário, "Vodafone.FM" durante os dois primeiros dias, o que torna o espírito festivaleiro mais coeso pelas dimensões deste recinto, pairando no ar um ambiente único que tanto carateriza este festival. Houve claramente uma maior enchente de espetadores durante o dia, que de forma descontraída passeavam por entre os postos de lazer e pelas tendas de restauração, à procura de um alento para o estômago.

Ainda a luz celestial de verão oferecia a sua luminosidade mágica que ia desvanecendo até ao fim do entardecer, quando os The Discotexas Band preparavam-se para agitar os fãs que os aguardavam ao fundo do palco. "Nós somos os The Discotexas Band!" O talento da banda lisboeta composta por Moullinex, Xinobi, Da Chick e Luis Calçada ficou claramente comprovado nas suas reinterpretações frenéticas – "make some noise!", pedia a vocalista Da Chick. O público ia chegando e aproximando-se cada vez mais do palco, enquanto a intérprete lançava o desafio "put your motherfucking hands in the air! Paredes de Coura!"

Unknown Mortal Orchestra são a banda seguinte a espalhar um som rock alternativo pelo tom inconfundível da voz de Ruban Nielson à guitarra, juntamente com Jake Portrait no baixo e Riley Geare na bateria. Com cerca de 15 minutos de ensaios no palco as gentes de coura entraram em euforia com o começar dos primeiros acordes, aclamando o iniciar da performance. Um tímido "Obrigado" de Ruban fazia chegar a alegria da banda por estar presente nesta grande festa da música. Apesar de já contarem com dois álbuns editados até hoje ["Unknown Mortal Orchestra" (2011) e "II" (2013)], certamente que este dia ficará gravado nas suas memórias pela reação pós-festival da banda no seu facebook oficial – "Maybe the best crowd of our career so far".

Com o público já quente e a palpitar, os Alabama Shakes foram uma das bandas mais aguardadas deste dia, arrastando um grande número de admiradores dos norte-americanos. Apresentando em Portugal o seu álbum de estreia "Boys & Girls" – "Hello Portugal! Are you feeling good?", tiveram direito ao carinho do público que atirava alguns balões com frases escritas para o palco enquanto a voz única de Brittany Howard fazia render a multidão. "I don´t know portuguese, I just want to say Obrigada", um momento que levantou algumas centenas de vozes presentes a entoarem em uníssimo "Portugal!Portugal!Portugal(…)". Já se fazia prever um momento calmo e surpreendente como este, com direito a romantismo – "Do you believe in love?", introduz Brittany com a sua voz soul ao tema que viria a mexer muitos corações, "Be Mine".

Para fechar o cartaz do dia 14 de agosto, O trio de Níger, encabeçado pelo seu guitarrista e cantor Omara Bombino Moctar, mais conhecido como Bombino que dá o nome à banda, inaugura a sua presença oficial em solo português às 23:40. No presente dia o Vodafone Music Sessions tinha presenteado 50 festivaleiros num concerto exclusivo da banda na Eira Comunitária de Porreiras, numa vertente mais acústica do grupo. A audiência estava completamente cheia no palco secundário, quando entra o trio trajado com os belíssimos fatos típicos da região do norte de África conferindo um aroma alternativo de boas batidas ao gosto particular de Níger. O público sentia-se contagiado e agitava-se incessantemente de um lado para o outro, acompanhando a coreografia de Bombino e a dos seus dois colegas. "Bombino!Bombino!Bombino!" – O público delirava!

Desta forma conclui-se o desfile de bandas numa quarta-feira de clima acalorado pela noite fora. É hora de regressar ao campismo e de "recarregar baterias" em clima de contentamento coletivo!

Fotos: Carina Guilherme
Texto: Rita Costa


,