The Script @ Campo Pequeno


The Script encerram digressão com noite triunfante no Campo Pequeno.

Os The Originals Rude Boys são compatriotas dos anfitriões da noite e vieram aquecer o público durante trinta minutos, apresentando o seu único trabalho de originais "This Life" e alguns covers. Têm uma sonorosidade Hip Hop acústica e, em conjunto com um grande poder de interação protagonizaram um bom início de noite.

Mas era para assistir ao concerto dos irlandeses The Script (que pisam os palcos nacionais pela quarta vez) que o Campo Pequeno encheu. Trazem na bagagem o seu mais recente trabalho de originais "#3" e é com "Good Ol' Days" (que introduz o álbum) que os músicos entram em cena.
A plateia recebeu os músicos com uma enorme ovação que se manteve enquanto Danny O'Donoghue (vocalista) percorria todo o palco de uma ponta à outra cumprimentando o público e chegou a saltar do palco para a plateia para fazer soar a voz dos fãs das primeiras filas.
"We Cry" foi introduzida com um "Olá! Como estão?" num português bastante perceptivo.
Segue-se "Breakeven" (mais um single do primeiro registo da banda) que foi acompanhada palavra a palavra pelos presentes e resultou no primeiro momento de euforia da noite.

Após a apresentação da música que dá o nome ao segundo álbum dos The Script, ("Science and faith") Mark Sheehan (responsável pelas guitarras, sintetizadores e coro) agradece ao público, anunciando que esta é a última noite da digressão e que poderá ser a melhor. E não haveria melhor música para dar continuidade ao concerto do que "The Man Who Can't Be Moved" (tema que atirou a banda para as luzes da ribalta) e os primeiros acordes da guitarra desfazem-se com a voz do público, protagonizando mais um momento marcante nesta noite.

O concerto continuou com muitas palmas, braços no ar, gritos e muitos saltos durante várias canções dos três trabalhos dos irlandeses.

Após confirmação por parte da banda que esta era a melhor noite da tour, Danny pede o telemóvel a alguém da plateia para ligar ao ex-namorado da fã e cantar "Nothing". Segue-se "Im Yours" (a balada do primeiro trabalho da banda que encheu os corações dos presentes), "Six Degrees of Separation" (o mais recente single) e "For the First Time" que termina com a banda agradecer e retirar-se de cena.

Para o encore estavam reservadas mais surpresas… O vocalista aparece na bancada do lado oposto ao palco e enquanto os seus músicos retornam a palco para tocarem "You Won't Feel a Thing" Danny atira-se para a plateia e, pelo meio dos presentes dirige-se para a sua banda, deixando vários cumprimentos pelo caminho.
Para terminar e sem deixar que o público tivesse tempo para se sentar o single de apresentação de "#3" ("Hall of Fame" que é parceria com Will.i.am) leva a arena ao rubro terminando com toda a gente a cantar as palavras "Be Champion" e com uma promessa de regresso, para breve.

Os The Script agradam a miúdos e a graúdos com o seu rock pop caraterístico e prendem o público pela presença e energia em palco. Esperemos que continuem por muito tempo na "Hall of Fame".

Alinhamento:
Good Ol'Days
We Cry
Breakeven
Science & Faith
The Man Who Can't Be Moved
If You Could See Me Now
Before The Worst
If You Ever Come Back
Nothing
I'm Yours
Six Degrees of Separation
For the First Time
Encore:
You Won't Feel a Thing
Hall of Fame

Fotos: Pedro Figueiredo
Texto: Bruno Silva


,