Pixies ao vivo no Coliseu dos Recreios, em Lisboa: reportagem


pixieslisboa

Triunfante passagem de Black Francis e companhia por Portugal. Os Pixies continuam a conquistar novas gerações.

Para o Coliseu deslocou-se quem não ligava ao futebol, quem se sujeitou a perder um jogo do glorioso pelo amor à música feita na década de 90 e aqueles que foram ao espetáculo para confirmarem os rumores do rock americano. Enquanto uns usavam o telemóvel para preparar a biblioteca interativa para o concerto que estava prestes a começar, outros perguntavam aos amigos qual o veredito do derby.

Pixies marcaram presença no palco do Coliseu, numa noite para matar a nostalgia da onda rock/grunge/punk, a puxar para o mosh, com cabelos compridos, camisas aos quadrados e all star rotas. Na mochila que veio às costas, trouxeram o novo trabalho em estúdio EP1 e um alinhamento de 35 temas tocados a todo o vapor, durante quase duas horas de concerto.

Black Francis ofereceu o honra da sua voz, entre murmúrios e rugidos vindos da escuridão que guarda em si, aos cerca de três mil presentes, com "Planet Of Sound". A energia era mais contagiante que as estirpes de constipações que o frio traz. Pés a bater no chão, cabeças num acompanhamento imparável e algumas aventuras em aplausos fizeram deste regresso, o terceiro após a estreia da banda em 1991, um turbilhão de emoções.

Entre um sem fim de acordes, ora à surfista ora completamente alucinados, e percussão infalível, não houve espaço para saudações. A outra Kim, não a original Kim Deal mas sim Chattuck, foi a mulher da noite, entusiasta, de baixo em força, ajudou no conceito de espetáculo "old skool" que os Pixies usam desde…sempre! Pelo caminho provamos dois novos sabores de reboçados com "Bag Boy" e "Indie Cindy", saídos do último disco, e houve tempo para uma ligeira degustação de clássicos como "Wave of Mutilation" – o primeiro momento alto da noite – "Alec Eiffel", "Bone Machine", "Break my body", "Debaser", "Where is my mind" e o eterno "Here comes your man".

Uma plateia de ávidos cantores, com a felicidade à flor da pele e a Pixies enciclopédia presente na memória e na ponta da língua disse "até já" a Francis e companhia. Depois da despedida, veio o merecido encore – que há 22 anos aconteceu já as luzes da plateia estavam ligadas, a mandar a malta embora – com "Hey", "Caribou" e o extasiante "Gouge away".

Os saudosistas, saiam pela calçada fora, calmos e tranquilos pelo quase-maravilhoso, progressivo e de qualidade crescente segundo concerto do quarteto, na história do Coliseu dos Recreios. E claro, havia outros cuja satisfação estava ligada ao resultado de outro tipo de clássico.

Fotos: João Paulo Wadhoomall
Texto: Sara Fidalgo


,