Lamb no Porto: Muita festa para pouco Coliseu


Lamb no Porto: Muita festa para pouco Coliseu

Os Lamb atuaram ontem no Coliseu do Porto para algumas centenas de pessoas que marcaram presença na comemoração dos 21 anos de carreira da banda inglesa. O duo composto por Andy Barlow e Lou Rhodes esteve em digressão europeia e escolheu Portugal para encerra-la.

As pessoas que ocuparam o Coliseu não foram suficientes para disfarçar a fraca adesão ao espetáculo mas isso não impediu a banda de contagiar a plateia com o Drum & Bass que a caracteriza. No seu estilo característico e específico, a banda atuou durante mais de uma hora e meia para um público que, apesar de pouco, mostrou apreciar o espetáculo.

"É tão bom estar de volta Portugal, já lá vai algum tempo" – a banda dividiu o concerto em duas partes: uma primeira onde se ouviram todas as músicas do primeiro álbum Lamb lançado em 1996; e uma segunda onde tocaram várias músicas dos outros 5 álbuns que compõem a sua carreira.

"Lusty" e "Godbless" foram as escolhidas para abrir o concerto. Uma primeira parte inteiramente dedicada ao primeiro álbum e composta por músicas que a banda não havia tocado em concertos antes desta digressão. É o caso de "Zero", uma canção que fala dos altos e baixos da vida, especificamente da perda de um filho, "Felizmente agora tenho dois filhos que já são mais altos que eu", confessou a cantora algo emocionada.

Em palco, além da vocalista Louise, havia bateria, contrabaixo, guitarra, violoncelo e a mesa de mistura que Andy Barlow trocou apenas uma vez pelo piano. Durante grande parte da performance, a banda contou também com a presença singular e muito aplaudida de Kevin Davy no trompete.

Depois de deixar o palco para mudar de roupa, Louise volta para interpretar "Angelica" mas foi "What Sound" que arrancou reações imediatas do público nos primeiros acordes. A segunda parte do concerto foi visivelmente mais bem recebida pela plateia, as pessoas dançavam mais e vibravam mais com as sonoridades intrigantes e quase psicadélicas que se ouviam. O concerto caminhava para o fim e o tempo regulamentar terminou com os temas "Backspace" e "Illumia". Antes de abandonar o palco, a vocalista mostrou querer estar com o público e garantiu que, mais tarde, iria descer para cumprimentar a plateia, tirar fotos e dar autógrafos.

"Não podíamos ir embora sem cantar esta" – O encore teve apenas uma música e não havia espaço para duvidar de qual seria. "Gabriel" foi, com certeza, a mais cantada pelo público. O tema de 2003 foi dos maiores sucessos dos Lamb e o Coliseu mostrou conhece-lo bem.

Uma noite intrigante e singular que agradou que por lá esteve mas que poderia ter ganho mais brilho numa sala mais pequena. Os Lamb partem agora para Lisboa para o último concerto (14 novembro) desta digressão que comemora os 21 anos desde o lançamento do primeiro álbum.

Fotos: António Teixeira
Texto: Daniela Fonseca


,