John Legend na Meo Arena, em Lisboa [fotos + texto]


John Legend na Meo Arena, em Lisboa [fotos + texto]

Há concertos que se fazem de músicas, há concertos que se fazem de lendas, ou não fosse o seu nome sinónimo disso. John Legend marcou presença na Meo Arena para o melhor serão que um sábado à noite frio poderia oferecer.

Com dez anos de carreira na mala, o norte-americano continua a encher salas de espetáculo um pouco por toda a parte e em Lisboa não foi diferente.

A sala, essa, estava iluminada e embelezada com um quarteto de cordas que abria as hostes para o mestre de cerimónias. Senhoras e senhores, Mr. John Legend irrompe no palco e sentado ao piano abre o alinhamento com "Made to Love".

Seguiram-se "Tonight (Best You Ever Had)" e aqui já não havia quem resistisse à imersão de amor e romantismo que se sentia no ar.

"Let's Do It Again / Number One" chegou à plateia da Meo Arena numa viagem de comboio funky e mexida, trazendo no atrelado "Save The Night", acompanhada de aplausos e cantorias constantes por parte do público.

Durante quase duas horas de concerto, o incansável romântico encheu a sala de êxitos que todos conhecemos e deixou que os presentes cantassem, palavra atrás de palavra, sem falhar uma letra, alguns dos seus maiores hits.

Num tom mais pessoal e íntimo, apresenta "Maxine", uma música com título homónimo ao nome do meio da sua avó.

Do segundo disco, Once Again (2006), chega-nos "Again" fazendo-se acompanhar de "P.D.A. (We Just Don't Care)", entre olhares sedutores direcionados à presença feminina e a todos que se deixassem encantar.

E eis que chega uma das mais aclamadas da noite e o primeiro sing-along completo do espetáculo com "Save Room" – tudo o que precisávamos para combater o frio de novembro que fora do recinto se fazia sentir.

Depois de uma permissão para avançar com o semáforo verde de "Green Light", irrompeu na set list uma versão de "Rock With You" de Michael Jackson, tornando-se a surpresa da noite. E porque também de covers se fazem bons concertos, depois de Michael Jackson, seguiu-se uma versão emocionante de "Bridge Over Troubled Water" de Simon & Garfunkel, numa homenagem sentida à outra sua avó.

"Ordinary People" ouve-se nos primeiros acordes e o sentimento é quase tão bom como encontrar um rebuçado numa caixa de doces que já pensávamos ter acabado.

"So High" fecha a noite de romantismo mas ainda há qualquer coisa que falta. Para o encore, esse que parece nunca mais chegar, espera-se um dos maiores hinos ao amor que os anos 2000 nos trouxeram. Legend não deixou nada de lado e deu-nos tudo dele com "All Of Me", enchendo ainda com mais amor, uma sala que já não cabia em si de tantos sorrisos, beijos apaixonados e gritos entusiastas.

E, para mal de muitos corações – cheios de amor, o concerto chega ao fim. O lendário John, esse, há de voltar em breve ou pelo menos é o que todos nós esperamos.

Fotos: João Paulo Wadhoomall/Oporto Agency
Texto: Redação c/Oporto Agency


,