Extreme no Armazém F, em Lisboa: reportagem


Extreme no Armazém F, em Lisboa: reportagem

"More Than Words". Toda a gente conhece esta música, um hit dos anos 90 escrito pelos americanos Extreme e que figura no badalado álbum Pornograffitti, lançado em 1990. E foi esse o motivo da vinda dos Extreme a Portugal. A revisitação na íntegra (e por ordem) dos temas do famoso álbum levou a que muitos ocorressem ao Armazém F para ver o português Nuno Bettencourt e companhia.

Lisboa marcava assim lugar na digressão "Pornograffitti Live". Ao longo de mais de duas horas de concerto, fez-se um regresso feliz ao passado com muito rock e guitarradas épicas à mistura.

Assim que chegámos ao Armazém F, já muita gente se encontrava dentro daquela sala lisboeta. "Está quase esgotado", disse-nos um elemento da organização. À primeira vista, pareceu-nos que o público não era constituído apenas por pessoas na casa dos 50 anos, mas também por jovens que demonstravam a sua paixão pela banda.

Com um atraso de 15 minutos, os Extreme, compostos por Gary Cherone, Nuno Bettencourt, Pat Badget e Kevin Figueiredo (o único elemento que não fazia parte da formação inicial), davam início àquela que viria a ser uma belíssima atuação com "Decadence Dance", com um público eufórico a acompanhar a banda. Só aqui via-se que, afinal, "More Than Words" não é o único tema conhecido da banda.

Logo depois seguiram-se "Li’l Jack Horny", "When I’m President" e "Get the Funk Out", a puxar pelo lado mais dançavel da banda. Rendido ao entusiasmo, o guitarrista Bettencourt soltava um sentido "obrigado!".

Aliás, não é de admirar o entusiasmo demonstrado pelo público português. Afinal, e apesar de terem o guitarrista desde o início (algo que para o nosso povo é importantíssimo), a verdade é que os Extreme partiram a loiça toda com muito hard rock, provando estar em sintonia e em excelente forma. Notava-se coesão, paixão e, ainda que Pornograffitti tenha sido lançado em 1990, as letras dos temas que compõem o álbum não são antiquadas como se possa pensar.

Era altura do (melhor?) momento da noite. Entoavam-se os primeiros acordes de "More Than Words" e o vocalista Cherone quase foi "calado" pelo público que praticamente lotava o Armazém F. As vozes dos presentes ouviram-se em alto e bom som, e só temos pena que aquela sala seja algo limitada em termos sonoros.

Desenganem-se aqueles que pensavam que o concerto diminuiria de ritmo após a famosa balada. Nada disso! O concerto continuou a decorrer a ritmo elevado com temas como "It‘s (A Monster)" e "Money (In God We Trust)", malhas capazes de demonstrar a qualidade não só dos Extreme, como do próprio Bettencourt.

Aliás, quase podemos dizer que o português é um deus da guitarra. Com aquele engraçado português falado que mistura o sotaque açoriano e inglês, Bettencourt provocava risadas entre os presentes, mas mostrava também que muito do funk e do groove da banda, assim como as descargas explosivas de energia, saíam dos seus dedos.

Deixamos, no entanto, nota negativa para "When I First Kissed You" tema em que Bettencourt se apoderou do piano. Infelizmente, a música acabou por ficar algo distante do pretendido; não por culpa do músico, mas por culpa das próprias condições do Armazém F.

Mas nem só de Bettencourt vivem os Extreme. O baixista Badger, irrepreensível a dar ritmo ao concerto; o baterista Figueiredo, muito certo e sempre a marcar o passo; o vocalista Cherone que, apesar de não ter uma voz assim tão entusiasmante, é um homem que não para, puxando pelo público e demonstrando que o palco é a sua segunda casa.

O final do alinhamento, assim como do próprio disco, ficava reservado para "Hole Hearted", tema que no final acabou por ficar prolongado com uma versão improvisada do clássico"Crazy Little Thing Called Love" dos míticos Queen.

Mas o concerto não se ficou por aqui. Seguia-se um grande encore que, como alguém comentava ao nosso lado, “isto agora é a parte dos discos pedidos”. Foi quase isso.

Escutou-se "Play With Me", do álbum de estreia, Rest in Peace e "Am I Ever Gonna Change" de III Sides To Every Story, "Midnight Express" de Waiting for the Punchline, "Take us Alive" do último álbum Saudades do Rock e, a pedido dos presentes, "Color me Blind", que não estava prevista no alinhamento.

Como seria de esperar, a estonteante "Cupid’s Dead" fechava um alinhamento de luxo de uma banda que, no final, agradeceu várias vezes e anunciou um regresso em breve.

Já cá fora, apercebemo-nos de duas coisas: primeiro, os Extreme parecem uma banda talhada para tocar em pequenos espaços a abarrotar de gente, o que estreita a ligação com o público; em segundo lugar, e após tantos anos após o lançamento de Pornograffitti, os americanos mostraram que ainda têm uma palavra a dizer no atual panorama musical.

Fotos: João Paulo Wadhoomall/Oporto Agency
Texto: Alexandre Lopes c/ Oporto Agency


,