Elza Soares no NOS Primavera Sound: um samba à liberdade em dia de Camões


Elza Soares no NOS Primavera Sound: um samba à liberdade em dia de Camões

Às 18:30 em ponto, a cortina em palco caiu e revelou Elza Soares no seu habitual cadeirão. A cantora brasileira apresentou-se com a postura firme a que já nos habituou e, durante quase uma hora, brindou-nos com a sua voz que parece não envelhecer.

"Vamos fazer um concerto bonito?" – ainda mal tinha começado o espetáculo no Palco Super Bock e já se percebiam sinais de que seria um dos concertos mais emotivos deste último dia de Primavera.

A veterana, sempre sentada por graves razões de saúde, interpretou vários temas da sua longa carreira, a maioria com uma mensagem social e política. Temas sobre o preconceito racial ainda no séc. XXI e um em especial contra a violência às mulheres. "Maria da Vila Matilde" apela a que as mulheres denunciem os seus agressores, nas palavras da cantora "chega de sofrer calada, não sofram mulheres!". A mensagem e as palavras de Elza Soares foram muito aclamadas pela plateia, quase tanto como quando a cantora falou de Gisberta.

Gisberta é o nome de uma mulher transsexual que foi morta pela agressão de vários jovens. "O preconceito ainda é difícil de ser falado" – a artista dedicou um tema a Gisberta e o público aplaudiu durante vários minutos.

Um concerto que nos lembrou que a liberdade não foi totalmente conquistada e que há muito para ser feito. Antes de terminar o concerto, Elza Soares ainda cantou os parabéns a Portugal neste dia de Camões.

Equipa Noite e Música Magazine no NOS Primavera Sound
Fotos: Júlia Oliveira
Textos e Social Feed: Daniela Fonseca
Edição: Nelson Tiago e António Teixeira


,