Deftones no Super Bock Super Rock: Ainda (e só) a força de Chino Moreno


Deftones no Super Bock Super Rock: Ainda (e só) a força de Chino Moreno

Os californianos Deftones regressaram também a Portugal depois de vários anos afastados do nosso país e esperava-se uma enchente para os ver. Tendo sido uma das bandas mais influentes no início do milénio, onde se tentavam afastar do movimento nu-metal e criar um rock mais alternativo, os Deftones tinham angariado muitos fãs em Portugal.

Mas, continuando na saga negra do SBSR deste ano, apenas um terço da MEO Arena estava com público durante o concerto. E não, com certeza por concorrência de outros palcos. Embora tivesse passado muito tempo desde White Pony (de 2000), o seu álbum mais marcante, esperava-se maior afluência.

No entanto, nem os Deftones (e em especial o seu vocalista Chino Moreno), nem o público presente quis saber disso! O início com "Headup" começou um mosh pit que nunca mais parou até final. Também de Aroun the Fur de 1997, atiraram-se a "My Own Summer (Shove It)".

Do último álbum Gore apenas se ouviu "Phantom Bride" e mesmo dos anteriores Koi No Yokan e Diamond Eyes, apenas quatro músicas estiveram no alinhamento: em que se destaca "Rosemary" e "Rocket Skates" a fechar.

O que os fãs esperavam era mesmo o regresso aos anos 90, e eles chegaram logo no ínicio com "My Own Summer (Shove It)", mais tarde com "Change (In the House of Flies)", ou "Digital Bath" e "Knife Party". Já no encore, ainda tivemos direito a "Teething" da banda sonora de The Crow: City of Angels.

A estrela foi, como sempre, Chino Moreno que, do alto da sua plataforma montada na frente de palco, já descia para cantar no meio do público a meio do concerto.

Por último, é de destacar o excelente espetáculo de luzes com foco sempre muito marcado no vocalista e a "habitual" má acústica do pavilhão que, em concertos com pouco público e com guitarras estridentes, se torna quase insuportável. Neste caso, as subtilezas encontradas nos álbuns dos Deftones soaram a noise estridente!

A banda não autorizou a captação de imagens à equipa da Noite e Música Magazine, lamentamos o sucedido.

Equipa Noite e Música Magazine no Super Bock Super Rock
Fotografia: Rui Jorge Oliveira
Textos: Miguel Lopes
Social Feed: Maria Roldão
Edição: Nelson Tiago


,