Biffy Clyro no Coliseu de Lisboa: a fúria do punk rock


Biffy Clyro no Coliseu de Lisboa: a fúria do punk rock

Na noite passada, os escoceses Biffy Clyro estrearam no Coliseu dos Recreios o primeiro e aguardado concerto em nome próprio com primeira parte de Frank Carter & The Rattlesnakes.

Foi muito pontualmente, e ao som do clássico de Sam Cooke "Change Is Gonna Come", que Frank Carter & The Rattlesnakes, a banda formada por Frank Carter em 2015, entrou em cena. O Coliseu de Lisboa, que tinha ainda muito espaço por preencher, soltou um enorme aplauso de apoio à banda inglesa que celebrava na noite passada a chegada ao sétimo lugar no top britânico, ultrapassando Adele, Ed Sheeran e até os grandes Rolling Stones.

A começar com "Snake Eyes" a banda passou também por temas como "Wild Flowers", "I Hate You" e "Mercy Rose", o tema que o vocalista escreveu para a filha celebrando a sua inocência. Sempre energético, o grupo do ex-membro dos Gallows conseguiu facilmente a atenção e responsividade do público. Frank Carter fez crowdsurf, distribuiu setlists pela audiência e, brincando, agradeceu aos Biffy Clyro por terem dado aos portugueses a oportunidade de descobrirem uma nova banda preferida.

Chegado o momento, no calor do constante e forte apoio do público lisboeta, os escoceses Biffy Clyro estrearam entusiasticamente o primeiro concerto em nome próprio depois de terem passado pelo NOS Alive por duas ocasiões  e assegurarem a primeira parte do concerto dos Muse no Pavilhão Atlântico, isto em 2009. "I Cannot Dance O Lord" acompanhou a entrada em palco do grupo que começou o promissor espetáculo com o tema "Wolves of Winter", o primeiro do último álbum lançado em 2016 Elipsis, álbum que entrou para o primeiro lugar do top britânico. Os três membros da banda, Simon Neil, James Johnston e Ben Johnston trouxeram com eles um guitarrista, que acompanhava os Biffy nos backvocals, e por um teclista, embora ambos estivessem mais escondidos que o trio. Também lado a lado de Biffy Clyro esteve um incrível e sempre sincronizado espetáculo de luzes que elevou o incrível ambiente que impressionou Lisboa.

"God & Satan", "Bubbles" e "Many Of Horror" foram sem dúvida os momentos altos da noite. Os temas do álbum Only Revolutions, lançado em 2009, ecoaram no Coliseu com a ajuda do público português que cantou a plenos pulmões os três maiores clássicos dos autointitulados "Biffy Fuckin' Clyro".

A banda fez questão de relembrar todo o seu percurso musical passando por clássicos como "Golden Rule", "Black Chandelier" ou "Medicine", este último apenas ao som de voz e guitarra acústica. O Coliseu tremeu, o público saltou e cantou e os Biffy Clyro mantiveram a mesma energia durante todo o concerto que teve direito a um encore e terminou com "Stringin’ Bell".

A primeira visita a Lisboa dos escoceses Biffy Clyro em nome próprio foi acompanhada de verdadeiros clássicos, um excecional espetáculo de luz, um público de todas as idades e nacionalidades, único e dedicado, e um incrível ambiente que aqueceu a noite fria da capital. Embora não lotado o Coliseu encheu de emoção e boas energias durante quase duas horas de concerto.

Fotos: João Paulo Wadhoomall / NOS Alive 2016
Texto: Maria Roldão


,