Bastille no MEO Marés Vivas: um espetáculo ligado à corrente


Bastille no MEO Marés Vivas: um espetáculo ligado à corrente

Os Bastille eram os mais esperados da noite e corresponderam fielmente às expetativas e à responsabilidade de serem os cabeça de cartaz deste primeiro dia de festival.

A banda de indie/rock alternativo subiu ao palco em pontualidade britânica e atuou para um recinto praticamente esgotado. Durante mais de uma hora pudemos ouvir temas dos seus dois álbuns com destaque para o Wild World lançado em 2016.

O concerto começou com "Send Them Off!", "Laura Palmer" e com o vocalista a mostrar que aprendeu algumas palavras em português para mostrar aos festivaleiros. Nesta altura já se tentava cantar os parabéns a Dan Smith. O vocalista completou 31 anos nesta noite mas só teve direito a bolo mais no fim da noite.

"Warmth" e "Snakes" antecederam a conhecida "Flaws". O tema de 2013 foi o momento escolhido para o vocalista romper pelo meio do público e circular entre os festivaleiros. Noite complicada para os seguranças que tiveram que seguir o artista.

"Quem nos conhece sabe que temos músicas muito depressivas, esta é uma delas" – em tom de brincadeira, o vocalista apresentou o tema "Overjoyed".

Seguiram-se "No Angels" e "Things We Lost In The Fire", ambos muito aplaudidos pelo público. Nesta altura, os festivaleiros erguiam os braços formando o triângulo característico que dá forma ao "A" de Bastille.

Ouvimos também "Good Grief" e "Blame", ambos temas do álbum Wild World. O momento que se seguiu foi dos mais emocionantes da noite. Apenas acompanhado pelos dois guitarristas, o vocalista interpretou "Two Evils". A canção, também de 2016, foi sentida pelo artista assim como por todos os que a ouviram.

Tempo de chegar o bolo e de cantar os parabéns como deve ser ao vocalista. Dan Smith nasceu a 14 de julho de 1986, este dia marca o aniversário da Tomada da Bastilha ocorrida em França no ano de 1789. Acontecimento este que originou o nome da banda.

"Foi muito bom passar o meu aniversário com vocês" – já na reta final, o público cantou e dançou ao som da bem familiar "Of The Night".

O concerto terminou com um dos maiores êxitos dos Bastille. "Pompeii" foi a escolhida para encerrar um espetáculo cheio de energia onde o vocalista pareceu ter molas nos pés de tanto que saltou.

Equipa Noite e Música Magazine no MEO Marés Vivas
Fotografia: António Teixeira
Textos e Social Feed: Daniela Fonseca e Rita Pereira
Edição: Nelson Tiago


,