B4 no Pavilhão Rosa Mota [reportagem]


B4 no Pavilhão Rosa Mota [reportagem]

O aquecimento para o tão esperado concerto dos B4 não deu tréguas aos presentes, teletransportando a multidão para uma espécie de pista de dança com ritmos do afrohouse, kizomba, zouk e R&B. DJ Dandy Lisbon estreou o palco, seguido de Boy Teddy, o cantor do hit "Number One", que regalou o público não só com este grande êxito, mas também com "Dona da Minha Life".

Gasso, como não poderia deixar de ser, entrou em cena com os óculos ao contrário, parte da sua imagem de marca, para cantar "O Jeito Dela" e "Amor Tipo Novela", músicas que a assistência demonstrou saber na ponta da língua.

Depois de arrumada a mesa do DJ, os fãs de B4 começaram a demonstrar a sua ansiedade em ver em palco Los Compadres, situação que se agravou assim que começaram a passar imagens dos dois cantores constituintes do grupo, no ecrã, na parte de trás do palco. Iniciou-se então a contagem decrescente para a receção dos elementos deste "projeto com validade de um ano", como se podia ler por entre as várias imagens que iam passando.

"Swagglelíssimo" foi a primeira canção do espetáculo, apenas precedida de "O Dono da Noite" em modo de introdução fugaz. Numa viagem até 1998, altura em que Big Nelo fazia parte do grupo SSP, "Canta Comigo (Essa Keta)" foi relembrada e seguida de "Uma Mensagem".

Irreverente como sempre, C4Pedro não largou os óculos escuros, o chapéu preto e o sorriso maroto, contagiando tudo e todos com a sua animação. O seu "Casamento" foi uma agradável surpresa para homens e mulheres, que deram um passinho de dança a pares.

Big Nelo arrebatou corações e deixou as meninas em êxtase ao descer do palco e infiltrar-se no seu meio. Já o seu parceiro de voz mostrou o jeito que detém para mexer a cintura e levou o público mais uma vez à euforia, com a música "Mapolopolo Mané". Os ritmos zouk agitaram a assistência e "Ela É" tirou o ar a muitos, não apenas pelas imagens provocadoras que iam sendo passadas, mas também porque era impossível ficar parado perante a batida.

E como o melhor se guarda para o fim, "Bo Tem Mel" e  "É Melhor Não Duvidar" ficaram para encerrar o espetáculo, com a presença de Rita Pereira, num apontamento de sensualidade e elegância.

Já depois de terem abandonado o palco, os fãs não se contentaram com o que tinham recebido e pediram mais. "Ela É" e as duas últimas músicas entoadas foram repetidas, numa noite repleta de sensações.

Fotos: António Teixeira
Texto: Magda Santos


,