Ana Moura no Coliseu do Porto: o Desfado de uma verdadeira fadista


Ana Moura no Coliseu do Porto: o Desfado de uma verdadeira fadista

Ana Moura esteve ontem no Coliseu do Porto poucos dias depois de ter atuado no Coliseu de Lisboa. A fadista encantou o público portuense e mostrou que "se o fado se canta e chora, também se pode dançar".

Poucos minutos depois da hora prevista, Ana Moura sobe ao palco da mais bela sala do Porto. "Na Palma da Mão" foi o fado escolhido para fazer as honras. Apenas ao som do baixo, da guitarra portuguesa e da guitarra clássica, a fadista entoou alguns temas mais tradicionais como "Guarda-me a Vida na Mão" e "Porque Temas Nesta Dor".

Seguiu-se o fado "Maldição" e um convidado muito especial. A artista chamou ao palco o bailarino Romeu Runa para uma performance contemporânea onde o seu corpo reproduzia os acordes do único instrumento presente, a guitarra portuguesa. Um momento desconcertante e mágico nesta noite.

"Recebo sempre tanto carinho no Porto. Muito obrigada!" – A fadista mostrou-se encantada e agradecida pelo afeto do público do Norte ao longo de todo o espetáculo.

"Amor Afoito" foi o tema que trouxe ao palco os dois instrumentistas que faltavam. Teclas e bateria completavam então o leque de cinco músicos que acompanham a fadista.

"Os Búzios" foi o fado que antecedeu dois dos temas mais esperados da noite. "Fado Dançado" e "Dia de Folga" animaram a noite e mostraram, mais uma vez, que o fado tradicional já não é o único fado que se canta em Portugal. A artista faz parte de uma geração de fadistas que tem mostrado uma vertente mais dançada do fado e, gostos e preferências à parte, fá-lo muito bem.

"Eu tenho os melhores músicos do país!" – Antes de sair de palco durante alguns minutos, a fadista deixou o público entregue ao talento dos músicos que a acompanham, numa performance inspirada na música tradicional Portuguesa. Pedro Soares na viola, Ângelo Freire na guitarra Portuguesa, André Moreira no baixo, João Gomes nas teclas e Mário Costa na bateria, proporcionaram quase dez minutos de instrumental com direito a ovação em pé no fim.

Ana Moura volta ao palco para interpretar "No Expectations", tema que faz parte de uma colaboração com os Rolling Stones. Seguiu-se o tema "Sabe Deus", também ele uma parceria com o cantor Israelita Idan Raichel.

"Tens os Olhos de Deus" e "Sou do Fado Sou Fadista" trouxeram de volta o fado mais tradicional ao Coliseu e foram muito aplaudidos pela plateia.

Já na reta final, a artista voltou a animar com "Valentim" e fechou com chave de ouro com o tema "Desfado". A canção de 2012 fez as delícias do público nortenho que a cantaram e mostraram sabe-la de cor.

A fadista abandonou o palco mas logo voltou para terminar com um fado de Carlos do Carmo. "Loucura" fechou o alinhamento e emocionou a plateia.

Uma noite de fado e dança onde o Coliseu do Porto se tornou numa Casa de Fados. Com direito a ovação em pé no fim, Ana Moura termina assim "Outubro nos Coliseus" e parte para concertos em inúmeras salas do país.

Fotos: António Teixeira
Texto: Daniela Fonseca


,