Ana Bacalhau na Casa da Música: Uma voz e um nome que se escrevem a solo


Ana Bacalhau na Casa da Música: Uma voz e um nome que se escrevem a solo

Ana Bacalhau este ontem na Casa da Música no Porto depois de ter apresentado a sua tour Nome Próprio no Teatro Tivoli, em Lisboa, no passado dia 26 de Janeiro. A artista presenteou o público portuense com o seu trabalho a solo nesta que é a sua primeira tour sem os "Deolinda", banda que integrava anteriormente.

Passava pouco das 21 horas quando Ana Bacalhau entrou em palco. Apresentou-se em nome próprio mas acompanhada por cinco músicos que se distribuíam pela percussão, teclas e cordas. Neste último grupo os músicos foram variando entre guitarra elétrica, baixo, guitarra portuguesa, contrabaixo, cavaquinho e bandolim.

Durante mais de uma hora e sem pausas, Ana Bacalhau entoou 20 temas, incluindo todos os temas do disco Nome Próprio que lançou em outubro de 2017 e alguns temas de outros artistas como António Variações e Fausto.

"Vida Nova" foi a canção escolhida para dar início ao espetáculo. Sempre animada e divertida, foi percetível compreender a alegria da artista por se apresentar neste registo para uma Casa da Música consideravelmente cheia. "É como voltar a casa, Porto" – Ana Bacalhau confessou o carinho que tem pelo Porto e pela gente de cá. O norte sabe como receber um artista.

"Eu quis que este disco fosse sobre mim" – A artista explicou que pediu a alguns compositores e artistas para lhes confiarem as suas letras e escrevessem como a veem. Apenas duas canções foram escritas por Ana Bacalhau. "Menina Rabina" é uma delas, onde a letra da canção brinca com o apelido que a artista tinha quando era mais nova. "Só Eu", a segunda composição da artista, veio mais à frente depois de "Passo a Tratar-me por Tu".

O concerto foi quase todo feito num registo de música dançada que vai buscar a sonoridade da música tradicional portuguesa. Apenas em dois momentos Ana Bacalhau deixou cair esse registo e levou o público numa viagem mais intimista e branda.

"Leve Como uma Pena", "Dama Da Noite" e "Respira" foram alguns dos temas que seguiram o alinhamento. Chegou então o momento de revelar um dos pilares de Ana Bacalhau neste disco: Fausto. O compositor e cantor português trabalha os ritmos tradicionais portugueses e foi muito importante para a artista neste processo de construção do disco. Por isso, a artista não poderia deixar de incluir uma das canções de Fausto no concerto. "Navegar, Navegar" foi a escolhida.

Seguiu-se "A Bacalhau", um tema que Capicua escreveu para a artista e que combina de uma forma excecional o ritmo do corridinho e a letra que é quase um rap sobre a vida de Ana Bacalhau. "Ai as minhas pataniscas" – brincou a artista depois de uma demostração do corridinho também em nome próprio. Recuperado o fôlego, altura para a artista pegar na guitarra e entoar "Deixo-me Ir".

Altura para um dos momentos mais emocionantes. Apenas acompanhada pelo piano, Ana Bacalhau cantou "Estrela Da Noite", um poema de Ary dos Santos e música de Fernando Tordo. "O António Variações foi o outro pilar deste disco" – a homenagem ao artista veio com a interpretação de "Estou Além".

Já na reta final do concerto, ouviu-se "Xácara das Bruxas Dançando" dos Trovante e o tema "Ciúme". Com letra de Miguel Araújo, tornou-se um dos temas mais reconhecidos deste disco e a prova deste sucesso foi a plateia a cantá-lo.

O encore teve "De Volta Pro Aconchego". Um tema de Elba Ramalho cantado apenas com o som do Bandolim que emocionou e fez a plateia cantarolar esta letra de 1985. Para terminar, a artista escolheu "Morreu Romeu", composição de Nuno Figueiredo.

Ana Bacalhau despediu-se da Casa da Música ao som dos blues e deixou um agradecimento sentido a todos os elementos que permitiram a existência deste disco e deste projeto a solo. Uma noite de festa que permitiu ao público compreender que o nome e a voz de Ana Bacalhau agora se escrevem a solo.

Fotos: Júlia Oliveira
Texto: Daniela Fonseca